Notícia

05 de Setembro, 2018

Papa: domingo é dia de fazer as pazes com a vida

Na Missa de hoje, Francisco refletiu sobre o verdadeiro sentido do repouso como “momento de contemplação e louvor”

O Papa Francisco, dando continuidade à sua série de catequeses sobre o Decálogo, falou na manhã desta quarta-feira (05), sobre o verdadeiro sentindo do repouso como “momento de contemplação e louvor”, é  a “Benção” da realidade, aos mais de 13 mil fiéis presentes na Praça São Pedro, no Vaticano.

 No Livro do Êxodo, o dia do repouso é visto como um mandamento que parece ser fácil de ser cumprido, mas, na concepção do Papa, é uma impressão errada, devido a existência de dois tipos de repousos: o falso e o verdadeiro. “Como reconhecê-los?”, perguntou o Papa.

 O conceito de vida atualmente não leva em consideração a atividade e compromisso com os princípios cristãos, mas sim, num desvio. “A indústria da distração - escutem bem, a indústria da distração - é muito florescente e a publicidade desenha o mundo ideal como um grande parque de diversão onde todos se divertem”, alertou o Papa.  A sociedade vive em busca de uma imagem modelo, de uma pessoa perfeita e de sucesso, sedenta por entretenimento e férias.

 

A falsa impressão do divertimento

O Santo Padre chama atenção, neste ponto, ao dizer que as pessoas estão anestesiadas pelo divertimento, acreditando ser o repouso adequado, mas explica que isso é pura alienação e fuga da realidade. Para ele, neste mundo existem muitas formas de divertir-se, porém que não oferecem a plenitude do coração, o sentido verdadeiro do repouso. “O homem nunca repousou tanto quanto hoje, e ao mesmo tempo nunca experimentou tanto vazio”, afirmou Francisco.

O repouso se encontra nas escrituras dos Dez Mandamentos, tendo um motivo preciso: “Depois de Deus ter trabalhado por seis dias, no sétimo repousou, por isso o Senhor abençoou o dia de sábado e o consagrou”, explicou o Papa

Dia da contemplação

De acordo com Francisco, para nós cristãos, o dia do repouso, o domingo, conhecido como o Dia do Senhor, é o momento de contemplação, para dar graças a vida, é o momento de alegria por tudo aquilo que Deus nos criou em seis dias, e no sétimo repousou. “É o dia para dizer a Deus: obrigado Senhor pela vida, pela sua misericórdia, por todos os seus dons. De dizer: a vida é preciosa! Não é fácil, às vezes é doloroso, mas é preciosa”.

 

Reconciliar-se com a própria história

 O sucessor de Pedro explica que se faz necessário um repouso diante da nossa própria vida, inclinar o coração para a alegria e bênçãos, evitando a facilidade de se concentrar nas razões da infelicidade. “É necessário nos reconciliarmos com nossa própria história, pois a verdadeira paz, não é mudá-la, mas dar boas-vindas e valorizá-la”, ressaltou o Pontífice. O Papa relembra ainda que existem pessoas humildes e pobres que se alegram por pequenas graças, com uma felicidade de conhecimento da eternidade.

 

Francisco concluiu sua catequese enfatizando que se o coração está aberto à Providência, e escolhe em viver no caminho de Cristo, encontrará a alegria e à ressurreição, como a escolha de Maria, que se entregou no momento mais dramático de sua vida.

 


Fonte: Amex, com Vatican News