Notícia

06 de Junho, 2014

Homilia da Solenidade de Pentecostes (08.06.14) “Um dom total”

 A vinda do Espírito Santo está em íntima união com o Mistério Redentor de Cristo, pois Ele O conduz em sua missão a partir de seu Batismo como lemos: movido pelo Espírito foi ao deserto ( ? ); ao morrer entregou o espírito (sopro de vida); na noite do domingo da Páscoa dá-lhes o Espírito soprando sobre eles. A celebração marca essa inauguração do tempo novo onde se cria o novo povo de Deus, como foi no Sinai para o Povo da Aliança. Não mais com um povo, mas com todos os povos, pois ali estavam representadas todas as nações do mundo. A diversidade de línguas significa que o Evangelho pode ser entendido por todos, pois é o Espírito quem dá a compreensão como dizem os povos: “todos nós escutamos anunciarem as maravilhas de Deus em nossa própria língua” (At 2,11). A festa de hoje santifica toda a Igreja revitalizando nosso relacionamento com Deus pelo Espírito que habita em nós.

Para ser dom

Pedimos nesta festa que o Pai “derrame por toda a extensão do mundo os dons do Espírito”(oração), pois desde o nascimento da Igreja, é Ele quem dá a todos os povos o conhecimento do verdadeiro Deus, e une em uma só fé a diversidade das raças e línguas” (prefácio). Esse dom do Espírito Santo se manifesta em dons. Ele é o Dom que reparte os dons, não para um orgulho pessoal, para serem empregados na vida de todos. O dom é uma riqueza para si, mas cresce à medida que usamos para o crescimento do corpo de Cristo. A missão do Espírito é levar a Redenção de Jesus aos corações de cada um e ao coração do mundo. A Igreja se faz ministra desse dom; “Soprando sobre os apóstolos disse: ‘Recebei o Espírito Santo. A quem perdoardes os pecados eles serão perdoados’” (Jo 20,22-23) . Esse perdão e a Redenção  da humanidade e não só um perdão dado em voz  baixa numa atitude intimista e desligada do mundo. Recebemos o dom da Redenção e somos co-responsáveis de levar adiante esse ministério da reconciliação universal. Nós o exercemos, como nos diz Paulo, com o dom pessoal de cada um. Cada um, aplicando seu dom, como os membros do corpo, faz vivo o Corpo de Cristo em missão.

Constante renovação

Pedimos: “Realizai no coração dos fiéis as maravilhas que operastes no início da pregação do Evangelho” (Oração).A divisão das pessoas na dispersão de Babel é restaurada pela vinda do Espírito que nos une como Corpo de Cristo. Sabemos que o Espírito dá vida à Igreja e vitaliza todos os membros. A própria vitalidade do Espírito na Igreja cura os membros doentes. A estagnação e mesmo os bloqueios que fazemos ao Espírito tem conduzido a Igreja a muitos erros na pastoral e na estrutura. O modo de ser Igreja se adapta aos tempos, mas não se fixa. Mesmo pessoalmente temos que nos renovar sempre. Por isso rezamos: Vinde, Espírito Santo, enchei o coração dos fiéis... e renovareis a face da terra.

Leituras: Atos 2,1-11; Salmo 103;1Coríntios 3b-7,12-13; João 20,19-23

Homilia da Solenidade de Pentecostes (08.06.14)

O Espírito Santo é bem desconhecido da Igreja Ocidental. A Renovação trouxe uma contribuição. É necessário conhecer mais. O Espírito está intimamente unido ao Mistério de Cristo. Jesus no-Lo deu a conhecer. Pedimos que seja dado à Igreja. Pentecostes marca a inauguração da Igreja. O Evangelho é compreensível a todos os povos. Revitaliza-se a Igreja em seus membros.

Pedimos que o Pai derrame por toda extensão do mundo os dons do Espírito. Ele dá aos povos o conhecimento do verdadeiro Deus. O Espírito é um Dom que nos dá os dons que devem ser partilhados. Compete a nós levar ao mundo a reconciliação universal.

Pedimos que se renovem nos fiéis as maravilhas operadas no início. A divisão das pessoas é restaurada pela vinda do Espírito. Ele vai curar e sanar os erros da Igreja. Nós temos que nos renovar sempre.

Cada um com sua vassoura

Jesus Ressuscitado no primeiro encontro com os discípulos, deu-lhes o Espírito Santo. Como Deus soprou sobre Adão para que tivesse vida, Jesus soprou sobre eles, para que recebessem o Espírito Santo, que é a Vida de Deus em nós. Com esse sopro de vida entrega-lhes a missão de levar a remissão dos pecados a todos. Deus quer a reconciliação com Ele e assim gerar um mundo reconciliado.

A reconciliação acontece quando há a unidade. A unidade não é todos fazerem a mesma coisa e sim colocarem o modo diferente de ser de cada e o dom que possui a serviço de todos. Paulo faz a comparação com o corpo. Cada membro tem uma função diferente para o bem de todos.

No dia de Pentecostes os apóstolos receberam o Espírito e começaram a pregar. Sua pregação era entendida por todos, mesmo sendo de línguas diferentes. Quer dizer que o Evangelho pode se pregado em todas as línguas. Cada um usando seu dom vai anunciar Jesus e construir o Reino de Deus.

 

Pe. Luiz Carlos de Oliveira

Redentorista