Notícia

29 de Janeiro, 2018

Não existe verdadeira humildade sem humilhação, diz Papa

Francisco inspirou sua homilia no Rei Davi, centro da Primeira Leitura do dia

“Não existe verdadeira humildade sem humilhação”. Foi o que disse o Papa Francisco na homilia da Missa desta segunda-feira, 29, na Capela da Casa Santa Marta, no Vaticano. Uma reflexão que partiu da figura de Rei Davi, centro da Primeira Leitura do dia.

O Santo Padre observou que Davi era grande, tinha alma nobre, mas também era pecador, tendo cometido adultério e assassinato. Mas a Igreja o venera como santo, porque teve a capacidade de reconhecer-se pecador, arrepender-se e deixar-se transformar pelo Senhor.

A Primeira Leitura evidencia a humilhação de Davi, pois seu filho faz uma revolução contra ele. “Naquele momento, Davi não pensa na própria pele, mas em salvar o povo, o Templo, a Arca. E foge, um gesto que parece covarde, mas é corajoso. Chorava, caminhando com a cabeça descoberta e pés descalços”, lembrou o Papa.

De acordo com Francisco, Davi foi humilhado não somente com a derrota e a fuga, mas também com o insulto. “Durante a fuga, um homem chamado Semei o insultava dizendo que o Senhor fez recair sobre ele todo o sangue da casa de Saul, cujo trono usurpastes, e entregando o trono ao filho Absalão: ‘eis que estás na ruína, porque és um homem sanguinário’”.

O Papa explicou que, às vezes, pensa-se que a humildade é seguir tranquilo, com a cabeça baixa, olhando para o chão. “Mas também os porcos caminham de cabeça baixa: isso não é humildade. Esta é aquela humildade falsa, prêt-à-porter, que não salva nem protege o coração”, advertiu.

“Não existe verdadeira humildade sem humilhação. Se você não for capaz de tolerar, de carregar nas costas uma humilhação, você não é humilde: faz de conta, mas não é”, destacou o Papa.

Ele apontou que sempre existe a tentação de lutar contra quem calunia e humilha, mas este não é o caminho. “O caminho é o de Jesus, profetizado por Davi: carregar as humilhações. Talvez o Senhor olhará para a minha aflição e me dará o bem em troca da maldição de hoje: transformar as humilhações em esperança”.

O Santo Padre expôs ainda que a humildade não é justificar-se imediatamente diante da ofensa, tentando parecer bom: “Se você não sabe viver uma humilhação, você não é humilde. Esta é a regra de ouro”, disse.

“Peçamos ao Senhor a graça da humildade, mas com humilhações. Havia aquela freira que dizia: ‘eu sou humilde, sim, mas humilhada jamais’. Não, não! Não existe humildade sem humilhação. Peçamos esta graça. Também, se alguém for corajoso – como ensina Santo Inácio – pode pedir ao Senhor que lhe envie humilhações para se parecer sempre mais com o Senhor”, concluiu o Papa.


Fonte: Amex, com Rádio Vaticano