Notícia

03 de Outubro, 2018

Papa Francisco abre Sínodo dos Bispos sobre os Jovens nesta quarta-feira (03)

Na Praça S. Pedro, Francisco presidiu a missa da XV Assembleia Ordinária do Sínodo dos Bispos e sugeriu a súplica ao Espírito Santo para a capacidade de sonhar

O Santo Padre presidiu esta manhã (03), na Praça São Pedro, a solene celebração da Santa Missa por ocasião da inauguração do Sínodo dos Bispos, que se realiza no Vaticano de 3 a 28 do atual mês, sob o tema: “Os jovens, a fé e o discernimento vocacional”.

O Papa iniciou sua homilia com o trecho do Evangelho de São João, que diz: “O Espírito Santo, que o Pai enviará em meu nome, lhes ensinará tudo e recordará tudo o que Eu lhes disse”. A Assembleia Ordinária do Sínodo dos Bispos conta com a presença de 266 Padres sinodais para que reavivam a própria paixão por Jesus.

Ao presidir a Missa, o Pontífice afirmou que Jesus oferece aos seus discípulos a garantia de que o Espírito Santo os acompanhará em toda a sua obra missionária. “O Espírito do Senhor é o primeiro a guardar e manter sempre viva e atual a memória do Mestre no coração dos discípulos e faz com que a riqueza e beleza do Evangelho sejam fonte de constante alegria e novidade”, pontuou.

Na ocasião, Francisco exortou aos presentes para a necessidade da súplica ao Espírito Santo, testemunhando às novas gerações.  “No início deste momento de graça para toda a Igreja, em sintonia com a Palavra de Deus, peçamos insistentemente ao Paráclito que nos ajude a trazer à memória e reavivar as palavras do Senhor, que faziam arder o nosso coração. Memória para que possa despertar e renovar em nós a capacidade de sonhar e esperar”, expressou Francisco. “Os jovens serão capazes de profecia e visão, na medida em que nós, adultos ou idosos, formos capazes de sonhar, contagiar e partilhar os nossos sonhos e esperanças”, acrescentou.

Sonhos e esperanças

O Santo Padre expressou seu desejo de que o Espírito do Senhor os proporcionem a graça de serem Padres sinodais, ungidos com o dom dos “sonhos e da esperança”, para poderem ungir os jovens com o dom da profecia e da visão; possa darem a graça de serem memória atuante, viva e eficaz, que não se deixa sufocar e esmagar pelos falsos profetas, mas levar a inflamar o coração e discernir os caminhos do Espírito.

Francisco destacou as boas-vindas aos Bispos da China, presentes no Sínodo pela primeira vez. “É com esta disposição de dócil escuta da voz do Espírito que viemos aqui, de todas as partes do mundo. Hoje, pela primeira vez, estão conosco também dois irmãos Bispos da China continental, a quem damos as nossas calorosas boas-vindas. Com a sua presença, a comunhão de todo o Episcopado, com o Sucessor de Pedro, torna-se ainda mais visível”, disse.

Dilatar os corações

Durante a celebração, o Santo Padre disse aos bispos presentes para que sejam “ungidos com a esperança”, e ressaltou que comecem um novo encontro eclesial, capaz de ampliar os horizontes, dilatar os corações e transformar as estruturas, que hoje os paralisam, dividem e afastam dos jovens, deixando-os expostos às intempéries e órfãos de uma comunidade de fé que os apoie, de um horizonte de sentido e de vida.

O Pontífice prosseguiu, ao enfatizar que a esperança os interpela, destronca o conformismo e os convida a trabalhar contra a precariedade, exclusão e violência, às quais está exposta a nossa juventude. “Os jovens, fruto de muitas das decisões tomadas no passado, exortam-nos a cuidar do presente, com maior esforço e com eles, a lutar contra tudo aquilo que impede a sua vida de crescer com dignidade. Pedem-nos e exigem-nos uma dedicação criativa, uma dinâmica inteligente, entusiasta e cheia de esperança, e que não os deixemos sozinhos nas mãos de tantos traficantes de morte que oprimem a sua vida e obscurecem a sua visão”, esclareceu.

Escutai sem preconceito

De acordo com o Papa, o dom da escuta sincera deve ser livre de preconceitos para que se consiga entrar em comunhão com as diferentes situações do Povo de Deus, sem cair na tentação de certos moralismos, elitismos e de ideologias abstratas.

Diante deste tema, Francisco convidou os Padres Sinodais a refletirem sobre a relevância de encorajar os jovens a profetizar. “Irmãos, coloquemos este tempo sob a proteção materna da Virgem Maria, mulher da escuta e da memória, para que nos guie no reconhecimento dos vestígios do Espírito, afim de que, entre sonhos e esperanças, possamos acompanhar e encorajar nossos jovens para que não cessem de profetizar”.

Neste sentido, Francisco recordou que, ao término do Concílio Vaticano II, os Padres Conciliares dedicaram a sua última mensagem aos jovens:  “A Igreja, durante quatro anos, trabalhou para um rejuvenescimento do seu rosto, para melhor responder à intenção do seu fundador, Cristo, o eterno jovem... É especialmente para os jovens que a Igreja acende, neste Concílio Ecumênico, uma luz, que iluminará o futuro da juventude. A Igreja espera que a sociedade respeite a dignidade, a liberdade, o direito sobretudo dos jovens”, pontuou.

Por fim, o Santo Padre na homilia exortou os Padres Sinodais e representantes da Igreja no mundo a alargarem seus corações, a escutar o apelo do Povo de Deus e a colocar-se suas energias a serviço da juventude. “Lutem contra todo o egoísmo. Rejeitem dar livre arbítrio aos instintos da violência e do ódio, que geram guerras e suas consequentes misérias. Sejam generosos, puros, respeitadores, sinceros. Construam, com entusiasmo, um mundo melhor, que o dos seus antepassados. Padres sinodais, a Igreja olha para vocês com confiança e amor”, concluiu.


Fonte: Amex, com Vatican News