Notícias Internacionais

O Papa pede o dom da paz

07/01/2020
O Papa pede o dom da paz

Em um tuíte, Francisco convida a crer que o outro tem a nossa mesma necessidade de paz. Dom Shlemon Warduni, bispo auxiliar de Bagdá, exprime a preocupação do povo iraquiano e da comunidade cristã com a tensão entre os Estados Unidos e o Irã. Protesto de Teerã à ONU. Trump: EUA prontos para qualquer resposta.

Marco Guerra, Silvonei José - Cidade do Vaticano

"Devemos acreditar que o outro tem a nossa mesma necessidade de paz. Não se obtém a paz se não se espera por ela. Peçamos ao Senhor o dom da paz!": este é o tuíte lançado neste sábado pelo Papa Francisco na conta @Pontifex.

Novos ataques, negações e confirmações

Entretanto, a escalada de tensão entre os EUA e o Irã, que corre o risco de inflamar o Oriente Médio, não diminui. Segundo alguns meios de comunicação social, na última noite, ao norte de Bagdá, um novo ataque aéreo estadunidense atingiu o comandante do grupo paramilitar pró-iraniano Hashed Al Shaabi. A notícia foi desmentida pela coalizão internacional anti-Isis liderada pelos EUA, mas as forças de mobilização popular confirmaram o ataque, relatando que as vítimas são médicos próximos ao grupo e que nenhum membro da milícia foi morto.

O funeral de Soleimani

A capital iraquiana na manhã deste sábado foi palco do cortejo fúnebre do general iraniano Soleimani que desfilou pelas ruas do distrito de Kazimiya, onde existe um santuário xiita. Milhares de pessoas participaram, muitas delas gritando slogans contra os EUA. No final, um funeral nacional oficial foi realizado na área verde de Bagdá na presença de muitos líderes iraquianos, incluindo o primeiro-ministro iraquiano Adil Abdul-Mahdi.

Trump: Soleimani planejava ataques

Ao mesmo tempo, enquanto todas as diplomacias pedem moderação, registrou-se o protesto oficial à ONU do Irã e a firmeza do presidente estadunidense Trump, que alega as razões da operação e mantém a pressão sobre todos os ambientes ligados ao governo de Teerã. Trump afirma que Soleimani estava planejando ataques iminentes e que não foi morto para uma mudança de regime ou para iniciar uma guerra, embora os Estados Unidos estejam prontos para qualquer resposta que seja necessária.

Operação anti-Isis redimensionada

Os oficiais da Defesa dos EUA anunciaram que 3.500 soldados adicionais serão enviados ao Oriente Médio. Tropas serão enviadas ao Iraque, Kuwait, Líbano em resposta às ameaças de vingança dos ambientes xiitas. As fontes da Defesa dos EUA também anunciaram que a coalizão anti-Isis no Iraque vai reduzir suas operações por "razões de segurança". Uma linha de prudência também por parte da OTAN, que suspenderá as missões de treinamento no Iraque.

Irã protesta junto à ONU

Por outro lado, sobre retaliação contra os responsáveis pelo ataque, falou o líder espiritual supremo Ali Khamenei, que proclamou três dias de luto nacional. Tons fortes também por parte do presidente iraniano, Hassan Rohani, que declarou que "o sangue do mártir Soleimani será vingado no dia em que virmos a mão maligna dos EUA ser cortada para sempre da região". E os protestos do Irã chegam à ONU com uma carta que fala de uma grave violação do direito internacional e de "terrorismo de Estado".

Warduni: o mundo reze pela paz

Mas como vive este momento a população iraquiana e, em particular, a comunidade cristã do país? Foi o que pedimos a dom Shlemon Warduni, bispo auxiliar de Bagdá:

R. - É um momento crítico, muito difícil, porque a nossa religião é a paz: "Eu vos dou a paz, não como a dá o mundo". Em vez disso, o mundo de hoje quer apenas interesses pessoais, quer apenas "a matéria", quer apenas ocupar aqui e ali porque nestes últimos dois meses duas ou três nações quiseram ocupar outras nações. É uma coisa terrível e por isso os nossos iraquianos estão em grandes dificuldades, eles sofrem tanto. Este é o apostolado do Santo Padre: semear a paz no mundo. E ele tira isso do Evangelho de Jesus porque ele, Cristo, nos diz "amai-vos uns aos outros". Portanto, pedimos ao mundo inteiro para fazer a paz, para ajudar verdadeiramente a semear a paz, sem interesses pessoais.

Como é que o povo iraquiano está vivendo estas horas? Também a comunidade cristã está preocupada com esta nova escalada de violência ...

R. - Certamente: todos têm medo de que estamos indo ao encontro da guerra e isso seria uma coisa terrível, porque a família iraquiana já está espalhada por todo o mundo: um filho neste país, um filho em outro país e assim por diante. Não temos paz, é por isso que só queremos paz e tranquilidade. Esperemos que seja isso que os chefes de Estado façam, porque o mundo inteiro está de cabeça para baixo: em vez de semear a paz, semeia-se o ódio. Agradecemos ao Santo Padre, mas pedimos ao mundo inteiro que reze, que volte a Deus: isto é o mais importante, porque afastando-se de Deus, todo o mal possível é feito. Por isso, pedimos a todos vocês, pedimos que rezem pela paz.

No delicado mosaico iraquiano é preciso fazer conviver todas as confissões religiosas. Este ataque prejudica os esforços de coexistência? É possível uma paz duradoura?

R. - Uma paz duradoura e forte é possível? Eu não sei. Porque quando há interesses pessoais, quando o Senhor nos disse claramente durante dois mil anos que não podemos servir a riqueza (Mammona) e a Deus ao mesmo tempo: ou Deus ou a riqueza. É assim que as coisas estão. A maioria quer dinheiro. Onde está o mundo, onde está? Suplicamos ao mundo inteiro que reze pela paz, para ajudar a semear a paz.